Retrospectiva 2015

Olá, mundo!
Sei que o blog está meio abandonado, mas preciso fazer uma retrospectiva. Como to sem ideia, usei o modelo que postei aqui em 2013.

1. Onde você estava quando 2015 começou?
Estava em casa, como nos anos anteriores. Meus cães têm medo dos fogos de artifício e passo essa data abraçada a eles. (Usei a mesma resposta, hahaha)

2. O que você fez em 2015 que você nunca tinha feito antes?
Foram tantas coisas e muitas coisas legais.

3. Você manteve suas resoluções de fim de ano e fará novas para 2016?
Eu não sou do tipo que trata a troca de calendário como algo grandioso a ponto de ter metas próprias. (Usei a mesma resposta de novo)

4. Você foi a algum show em 2015?
Não muitos, mas fui ao melhor show, da melhor banda, melhor vocalista, melhores guitarristas, melhor baixista, melhor baterista, siiiim, esse ano teve Pearl Jam! E foi lindo! ❤

5. Você procurará um novo emprego em 2016?
Por que não? Rs.

6. Você bebeu muito em 2015?
Bebidas alcoólicas, não.

7. Você viajou nas férias? Para onde?
Não quis.

8. Qual foi sua maior conquista em 2015?
Não pegar nenhuma DP na faculdade, haha.

9. Se você pudesse voltar no tempo, para qualquer momento de 2015, e mudar alguma coisa, o que seria?
Se eu tivesse a consciência e maturidade que tenho hoje, faria muitas coisas diferentes, mas creio que, de alguma forma, certos momentos foram necessários para evoluir.

10. Você ficou doente ou ferido?
Passei o ano inteiro bem, fisicamente. Somente nos últimos dias que tive uma reação muito forte a alguma coisa que me zuou legal por dias. A saúde mental continua daquele jeito…

11. Qual foi a melhor coisa que você comprou?
Não to lembrando de nada em especial. Estou cada vez menos consumista, rs.

12. Quais são as pessoas cujo comportamento mereceu aplausos?
Minha mãe, como sempre, meu maior exemplo. (Usei a mesma resposta) e minha irmã.

13. E quais são as pessoas cujo comportamento você reprovou?
Esses nomes não merecem atenção. (Usei a mesma resposta de novo)

14. Onde você investiu a maior parte do seu dinheiro?
Em comida, hahaha.

15. O que te deixou muito, muito, muito feliz?
As conquistas da minha irmã, da minha mãe.

16. Qual música sempre vai te lembrar de 2015?
Não tenho certeza, mas Flashlight da Jessie J está na lista.

17. Comparando este momento com o que você viveu exatamente um ano atrás, você está mais feliz ou mais triste?
Mais feliz. Woohoo!

18. O que você queria ter feito mais?
Estudado mais, ido mais a museus e exposições, saído mais.

19. O que você gostaria de ter feito menos?
Pensado. (Oh, a mesma resposta!)

20. Como você passou seu Natal?
Esse ano tentei não ser o Grinch e acho que consegui.

21. Quem foi a pessoa de quem você mais sentiu falta este ano?
Acho que a gente aprende a lidar com a ausência.

22. Você se apaixonou em 2015?
SIIIM! Siiim, siiiim, siiiim. Por músicas, coisas, pessoas…

23. Qual foi a maior mudança para você em 2015?
Meus horários, minha rotina. Foi foda!

24. Quais foram os seus programas de TV favoritos?
Nem assisto TV, só o meu futebol de lei. Vai Corinthians! Eu ainda tenho que escrever sobre a melhor série deste ano, Jessica Jones ❤, mas gostaria de deixar registrado aqui.

25. Você odeia alguém agora que você não odiava há um ano?
Sim. Mas minha preguiça de lembrar é maior que o ódio.

26. Qual foi o melhor livro que você leu?
Muito difícil escolher um só.

27. Qual foi a melhor descoberta musical?
Não lembro de uma descoberta deste ano ;/

28. O que você queria e conseguiu?
Passar de ano na faculdade.

29. O que você queria e não conseguiu?
A lista de fracassos é extensa.

30. Qual foi o seu filme favorito em 2015?
Acho que não tem como ser outro, Star Wars VII.

31. O que você fez no seu aniversário (e quantos anos você tem)?
Nada! Hahaha fiquei em casa o dia todo sem fazer nada, melhor coisa!

32. Que coisa teria tornado seu ano imensuravelmente melhor?
Dinheiro. Desculpa, mas estamos em um mundo capitalista fudido.

33. Como você descreveria seu conceito pessoal de moda e estilo em 2015?
Roupas limpas, na maioria das vezes.

34. O que manteve sua sanidade?
Eu não a mantive.

35. Qual celebridade/figura pública que mais te fascinou?
Mais uma vez, Eddie Vedder. Cada vez que eu descubro algo novo sobre ele, minha admiração cresce. (Mesma resposta e tão verdadeira quanto da primeira vez que escrevi)

36. Escolha o trecho de uma canção que melhor resume seu ano de 2015.
‘Sentar no sofá, sem conversar, sentindo o ódio suprimindo em mim (…) Sei que nada vai adiantar, mas por favor para de sorrir’ Cara violência, Dead Fish.

37. Do que você sente falta?
Não sei.

38. Quem foi a melhor pessoa que você conheceu em 2015?
Foram tantas pessoas que eu adorei conhecer este ano, da faculdade, amigos…

39. Conte uma lição de vida importante que você aprendeu em 2015.
Não deixar para depois o que eu preciso pra ontem.

40. Quais são os seus planos para 2016?
Processando…
(Usei muitas respostas iguais ao post de 2013 e isso não foi o suficiente para falar sobre este ano, então segue um texto pequeno)

Eu já disse que sou egoísta e pra mim o ano começa/termina no meu aniversário, e não dou a mesma importância que a maioria das pessoas dá para a mudança de calendário, mas tenho que dizer que 2015 foi um ano muito legal. Acho que a gente cresce e aprende a não jogar um ano inteiro no lixo sendo que só alguns dias dele foram ruins.

Eu gostaria de agradecer a cada pessoa que de alguma forma participou e fez deste um bom ano. Seja pessoalmente, virtualmente, diariamente, pessoas que só nos vimos uma vez este ano, porém foi o suficiente, pessoas que por mais que nos vimos, foi pouco, enfim.. Recebam o meu carinho e o meu muito, muito, muito obrigada, amigos, amores!

Que façamos de 2016 um ano lindo! Feliz ano novo!

KEEP ROCKING

Parabéns para mim!!!

Mais uma volta ao redor do Sol termina e outra se inicia para esta que aqui escreve.
É o ciclo sem fiiiiiiiiim…
Se você não entendeu a referência, eu sinto muito pela sua medíocre existência.

Com base nos conhecimentos adquiridos neste um quarto de século, gostaria de compartilhar 25 coisas aleatórias porque… eu quero. Simples.

1) esta é a sua vida e ela está acabando um pouco a cada minuto
Vamos morrer. Isto é um fato e não há como refutar. Obrigada, Palahniuk, por resumir tão bem uma filosofia em uma frase!

2) desde 1990, todo 28 de setembro chove
Não sei se é ‘sorte’ ou ‘azar’, mas vai chover no meu aniversário, onde quer que eu esteja, rs.

3) precisamos de uma válvula de escape
Algo que te tire do mundo, te faça relaxar. Mesmo que seja ficar olhando para o teto por horas e mais horas.

4) nem tudo precisa ser monetizado
As vezes é bom fazer alguma coisa, simplesmente, porque ela lhe dá prazer e não retorno financeiro.

5) não precisa tá perto para tá junto
Seja fraternal, canino, o tipo que for, o amor/amizade supera as Leis da Física.

6) ser diferente é… diferente
Te dizem que ser diferente é normal, mas você descobre que não é bem assim.

7) ser você é mais saudável
Por mais diferente que você seja, é mais saudável ser você. Tanto físico, quanto mentalmente falando.

8) a verdade está lá fora… ou não
Você decide se quer sair ou não da sua zona de conforto e está tudo bem com a sua escolha.

9) a cura está dentro de você
Psicologicamente falando. Remédios, terapias e tudo mais ajudam, porém não fazem tudo sozinhos.

10) a direção é mais importante que a velocidade
Até na Fórmula 1. Não adianta ser o mais rápido se está correndo na direção contrária.

11) coisas ruins acontecem com pessoas boas
E a reversa também é verdadeira.

12) nenhum conhecimento é inútil
Não menospreze nenhum tipo de conhecimento. São todos valiosos e úteis em algum momento da vida.

13) as vezes, merecimento e reconhecimento são vistos como sorte
Ninguém quer saber da sua luta para chegar alí, das coisas que fez e deixou de fazer, do que precisou abrir mão e do que teve que suportar.  Você, apenas, teve sorte.

14) você não precisa fazer certo da primeira vez
Uma vez Bill Gates disse o contrário, mas não se cobre tanto. Estamos todos aprendendo o tempo todo.

15) cuidar da saúde é importante
Quando se é jovem, fica-se doente, no máximo, 3 dias. Porém com o avançar da idade e o aumento de responsabilidades percebemos que não levar aquela blusinha pode resultar em hospital, garganta inflamada, remédio e atrasar seu trabalho por uma semana.

16) tolerância vai além da empatia
Empatia é se colocar no lugar do outro. Muitas pessoas ao fazerem isso dizem que agiriam diferente se fosse o outro, porém isso não é muito legal. A tolerância vai além. Mesmo sabendo que agiria diferente, você aceita e ajuda a pessoa na velocidade e direção dela.

17) é normal ter dias ruins
Você não precisa estar sempre feliz. É ok ficar com a cara fechada o dia inteiro e você não precisa se desculpar por isso.

18) é preciso arrumar o próprio quarto antes de salvar o mundo
Não adianta varrer tudo, não saber o que fazer com a poeira e acabar jogando a para baixo do tapete.

19) maturidade está relacionada à autoconhecimento
‘Crescer’ não significa parar de gostar de coisas fofinhas ou consideradas ‘de criança’. É possível ser CEO de uma empresa, ter uma Hello Kitty na mesa e ser altamente responsável e capaz de gerir tal empresa.

20) os sentimentos estão cada vez mais efêmeros
Os egos cada vez maiores, o respeito cada vez mais perdido e a esperança cada vez menor.

21) as vezes você se torna aquilo que você odeia
E a pior parte é que talvez você nem perceba isso por um longo tempo.

22) nem sempre as pessoas te tratam como gostariam de serem tratadas
E isso não é desculpa para você agir como elas. Coloque-as na sua paz, como diz buda.

23) você não é todo mundo
Não é porque todos ao seu redor estão pulando da ponte que você entrará na fila. Dizem que ‘tudo tem seu tempo’, mas, talvez, algumas coisas não estão na sua lista de missões a serem completadas.

24) não se reprima, não se reprima
As vezes um simples foda-se! pode te poupar de várias sessões de terapia.

25) não há certo ou errado, mas eu tenho certeza que existe o bem e o mal
Eddie Vedder disse isso em Thumbing My Way e concordo muito com ele.

Pronto.

KEEP ROCKING!

Fala, escreve…

Olá, mundo!

Sei que o blog ficou abandonado, mas escrever aqui ainda me faz bem, juro! Rs!

Post bem rápido para dizer que estou viva e que ~~talvez~~ volte a escrever aqui com mais frequência, mas sem prometer nada.

Valeu!

KEEP ROCKING!

Vida, vamos com calma!

Tem tanta coisa acontecendo que não sei por onde começar. Aliás, preciso respirar!

.
.
.

UFA!

Esses últimos dias têm sido tensos. No futebol teve estreia do Corinthians no Paulista, jogo da pré-Libertinha, próximo domingo tem o primeiro clássico no estádio novo do Parmera (e que rolo com esse jogo), aí na próxima quarta tem o jogo de volta da pré-Libertinha. Na parte familiar teve minha mãe voltando ao trabalho e irmã passando em federal e indo embora pra longe. Também teve acidente ): mas é tão bad que é melhor deixar pra lá. Na amorosa e entre amigos teve um cobrando atenção e outro enchendo o saco, mas também teve cara sendo lindo, maravilhoso e fofo *suspira* e no geral, apesar de tudo, eu ainda to viva.

KEEP ROCKING

Porque stalk é uma coisa ruim

Além de material escolar por todos os lados, começo de ano também tem Big Brother Brasil, o BBB.
Eu não me imaginaria falando sobre BBB aqui, mas será um pouco necessário, porém sem entrar em conflito sobre o programa, as pessoas que assistem ou as que dedicam a vida a criticar quem assiste.

Confesso que não assisto televisão há um bom tempo, só o meu futebol de sempre (Vai Corinthians!). Confesso também que não leio tanto quanto gostaria, estou atrasada em várias leituras (e querendo comprar mais livros). Confesso também que já assisti BBB, aquele do Rafinha (lembra do muleque com estilo hardcore?).

Depois de tantas confissões, quero contar sobre algo que li no blog da Lola e me motivou a escrever este post. Primeiro leia este post aqui e esse depois esse aqui.

Depois que você é vítima de perseguição, você sente empatia pela pessoa que sofre ou sofreu com isso também. Sim, eu já fui perseguida.

Meu caso é o seguinte: há mais de 2 anos, eu saía com um cara que morava em outra cidade, pode-se dizer que tínhamos um relacionamento, mas nada sério. Ele não vinha muito para cá, não ia aos rolês com meus amigos e não tínhamos gostos em comum. É, eu também não sei porque estávamos juntos. Na verdade, eu até sei. A depressão faz você se sabotar e com isso acaba entrando em relacionamentos que não farão bem para continuar mal.
Voltando ao assunto principal. Depois de uns poucos meses juntos, eu terminei o relacionamento e esperava que ele sumisse da face da Terra! Porém o que aconteceu foi exatamente o contrário. Ele começou a mandar flores para minha casa, começou a perturbar minha família na internet, aparecer nos lugares que eu ia… Nessa parte, eu ‘colaborei’. Se você já deu uma olhada no meu blog ou twitter, percebeu que eu sempre falei dos rolês que fazia. Minha mãe sempre me avisou que eu ia me dar mal por fazer isso, ela estava certa. #pragademãepega porém não tive culpa nenhuma e afirmar o contrário seria adaptar a ‘cultura do estupro’ para essa situação.
E se você acha que as flores eram fofas, se engana. Cada vez que eu as recebia (sim, foram mais de uma vez) entrava em pânico. Ele apareceu em shows que eu estava e fica por perto, eu pedia para os amigos para não me deixarem sozinha. E até barzinho com os amigos, onde a vontade de ir embora era enorme, mas por pedido dos meus amigos eu não ia. E eu não ficava com mais ninguém porque tinha medo dele fazer alguma coisa até mesmo com as pessoas (meus amigos) que estavam comigo. Isso sem contar os milhares de emails que ele mandava. Além disso tudo, ele chegou a se envolver na produção do show aqui na minha cidade de uma banda que eu gosto muito e quando eu soube disso, acabei desistindo de ir. Eu tinha medo de sair de casa, acabei ficando paranóica achando que o carro dele tava na frente da minha casa, tive que sumir de todas redes sociais (por mais que ele seja bloqueado em todas), tive que mudar o telefone de casa e o celular… Ou seja, minha saúde mental, que não é das melhores, foi pro saco.
Antes que me perguntem porque eu não pedi uma medida protetiva, não é tão simples, não é só fazer o B.O. tem que ir em juízo, pagar advogado, provar, etc.
A situação atualmente está ok. Ou ele parou de perseguir há uns nove meses, ou aprendeu a fazer isso melhor. Ou morreu (o que eu espero que tenha acontecido porque, como uma amiga me disse, isso não é ex, é exu!). E por causa disso, tenho uma dificuldade maior do que já tinha para me relacionar com outra pessoa. Há umas semanas, consegui me deixar apaixonar (acabou não dando certo, mas tudo ok com relação a esse), mas tem uma cicatriz em mim. Talvez eu deva fazer mais terapia.

Só para concluir, o stalk e o ciúme que algumas pessoas vêem como fofo, sinal de carinho, eu vejo como crime passional. Parece exagerado pra você? Pra mim, não. Stalker é um nome bonitinho, perseguidor parece mais criminoso e louco, como é realmente.

P.S.: se você ainda me persegue: vá se tratar, seu fdp!

KEEP ROCKING